Por Yule Mares

As empresas Startups estão inseridas em um ambiente de extrema incerteza. A hora de calcular o valor do investimento desejado e qual porcentagem da empresa oferecer em contrapartida não podia ser diferente. Quanto vale a minha empresa? Meu negócio é atrativo? Qual a minha necessidade de investimento? Será que realmente está na hora de captar recurso? Essas são só algumas das perguntas que surgem em relação ao tema e vamos respondê-las da forma mais didática possível, com linguagem simples, oferendo os meios pelos quais você conseguirá calcular três indicadores cruciais: o VPL (Valor Presente Líquido) é uma das formas de calcular o valuation da sua empresa - que é uma estimativa do valor da sua startup, é como se fosse quanto ela vale - , a TIR (Taxa Interna de Retorno) é um indicador de retorno sobre investimento e a Necessidade de Capital será dada como o recurso necessário para desenvolver o seu negócio. Vamos lá?

- Fluxo de Caixa Descontado e VPL - Valor Presente Líquido

Um Fluxo de Caixa mostra o fluxo de dinheiro recebido e gasto - e quanto “sobra” no caixa da empresa - ao longo de um período de tempo. Startups estão sujeitas a um cenário de risco e um dos motivos é a falta de um histórico de movimentações financeiras a serem analisadas, ou seja, não conseguimos analisar o fluxo de caixa passado da empresa por um período longo o suficiente para gerar informações sobre a atratividade daquele negócio, em termos financeiros, no presente.

Isto posto, uma startup deve projetar seu fluxo de caixa futuro para gerar essas informações. Ao projetar o fluxo de caixa estamos nos referindo a um benefício a ser agregado no futuro e para trazer essas informações para o presente é necessário realizar alguns descontos – daí o nome Fluxo de Caixa Descontado –, levando em conta o valor do dinheiro no tempo – R$100,00 hoje não têm o mesmo valor do que R$100,00 daqui a um ano – e o risco inerente à incerteza da projeção, já que não podemos garantir que aquilo que foi planejado vai de fato acontecer.

O VPL é o cálculo matemático capaz de trazer para o presente um valor de fluxo de caixa futuro. Ou seja, é o cálculo que desconta um valor de fluxo de caixa futuro, com o objetivo de analisar a atratividade desse valor no presente. A forma como o VPL faz isso é descontando de cada fluxo de caixa um valor que chamamos de TMA (Taxa Mínima de Atratividade).

O cálculo do VPL é uma das formas utilizadas para definir o valor de uma empresa. Calculando o VPL podemos dizer que você estima o valor da sua empresa no presente, de acordo com uma projeção futura e com os devidos descontos.

- TMA - Taxa Mínima de Atratividade

Imagine que você tenha R$1.000,00 e deseja investir esse dinheiro. Hoje, qualquer cidadão possui a oportunidade de emprestar dinheiro para o governo por meio da compra de títulos públicos e receber uma taxa de juros nessa transação chamada de taxa SELIC. Na presente data, a SELIC oferece um retorno de 6,5% anualmente, ou seja, se você investir seus R$1.000,00 hoje em títulos públicos, daqui 1 ano você terá R$1065,00, em uma operação de baixíssimo risco.

Ora, então tudo o que eu preciso é oferecer um retorno maior do que 6,5% ao ano para o investidor? A resposta é: não! Além de levar em consideração o custo de oportunidade do investidor em realizar outros investimentos, você também deve considerar o risco inerente à transação, afinal o seu investimento é de alto risco e você não pode garantir com segurança que o retorno planejado vai realmente acontecer, ao contrário de outros investimentos – como o caso da compra de títulos públicos.

Portanto, a TMA é uma taxa de desconto utilizada no cálculo do VPL, para trazer o fluxo de caixa futuro ao presente, com o objetivo de considerarmos na operação o custo de oportunidade de outros investimentos – um retorno que o investidor já teria se investisse em outra coisa - e o risco inerente ao investimento incerto na startup.

Quanto menor o estágio de desenvolvimento de uma startup, mais incerta será sua  projeção do fluxo de caixa e maior deve ser a TMA considerada, pois maior é o risco do investimento.

Na ferramenta que disponibilizamos ao final do conteúdo consideramos uma TMA de 15%, taxa suficientemente razoável para startups em estágio inicial, considerando o cenário econômico atual.

- TIR - Taxa Interna de Retorno

Por fim, a TIR é um cálculo de retorno sobre o investimento feito. Consideramos que o investimento começa a ser atrativo quando a TIR ultrapassa a TMA e quanto maior a diferença entre elas, melhor.

- Necessidade de Capital

É comum que o período inicial da projeção de caixa das startups fique negativo, ou seja, que seus gastos sejam maiores – até bem maiores - do que seus recebimentos. Isso acontece porque esses negócios precisam dispender certo tempo e dinheiro em seu desenvolvimento antes de começarem a vender em escala, o que demanda, em alguns casos, grande montante de capital inicial. O ponto mínimo de seu fluxo de caixa acumulado vai te dizer qual a sua necessidade estimada de capital para começar [vide imagem].

 

Se sua startup não é intensiva em desenvolvimento e/ou não necessita de tanto capital para começar, é mais interessante captar recursos em um estágio de desenvolvimento maior. Pense que se seu negócio já fatura – e quanto mais ele fatura -, é como se ele valesse mais e representasse um investimento de menor risco, dessa forma, no cálculo do VPL você poderia utilizar uma TMA menor.

 Quais informações preciso para projetar meu fluxo de caixa e calcular o VPL, a TIR e a Necessidade de Capital?

Lembre-se: estamos falando de projeções incertas. Dessa forma, as premissas nas quais você estiver embasando o seu fluxo de caixa devem ser muito bem definidas. Caso contrário, por mais que seu negócio apresente bons indicadores de projeção, estes não terão credibilidade, dado que você não saberá explicar como vai alcançá-los de fato.

As definições dessas premissas são dadas pelo planejamento financeiro da empresa. Você deve planejar:

  1. Receita: Preço do produto x Quantidade vendida;
  2. Custos: gastos utilizados e acumulados para gerar um produto ou serviço. Para soluções de softwares e plataformas online pode-se considerar gastos com infraestrutura (nuvem, servidores, domínio), registro, ferramentas de desenvolvimento, dentre outros.
  3. Despesas: gastos com marketing, vendas e administrativo;
  4. Impostos;
  5. CAPEX: são desembolsos de investimento, como maquinário para produção, computadores, compra de algum imóvel, fábrica, etc. Fuja ao máximo do CAPEX no início da operação da sua startup!

A ferramenta abaixo está sendo disponibilizada para auxilia-lo no planejamento financeiro para a projeção do seu fluxo de caixa, listando os principais gastos inerentes no desenvolvimento de uma startup. Além disso, a ferramenta projeta de forma automática o seu caixa futuro e calcula VPL, TIR e Necessidade de Capital. Use-a à vontade para avaliar seu negócio!

Acesse a ferramenta aqui.

 

Boa sorte!